22
jan
09

Economia: dinheiro que vai, dinheiro que vem!

Entendendo como as verdinhas circulam pelo mundo...

Entendendo como as verdinhas circulam pelo mundo...

Esta semana recebi, como resposta de um e-mail que enviei a uma pessoa cuja opinião eu estimo e valorizo muito, que este meu novo blog está no caminho certo… mas que eu poderia falar menos de Televisão!

Então… o duro é que, para eu “puxar audiência” para cá sem ter que recorrer à fotos de playboy, downloads de programas e mp3 ou coisas do tipo… só falando de Big Brother ou Tragédias. O povo vai atrás de notícias sobre isso como formigas vão no doce…

Já para os que odeiam o blog – 29% do total, segundo a enquete – não vou falar da Priscila do BBB9, nem dos genéricos do Sertanejo Universitário, nem do pessoal do Rosa de Saron!

Ufa…. vou falar de algo “chato”: economia! Já pararam para pensar em como o dinheiro circula? Sim… você já fez uma brincadeira simples? Pegar uma cédula, escrever algo nela, jogar no comércio e um dia esperar que essa nota volte para você?

Eu já fiz isso quando era criança – na época, que “Anísio Teixeira, cunhado feito abestado, numa cédula de mil” nas palavras do poeta-brega Falcao – e uma vez, uma nota que eu havia pixado, voltara para mim no troco do lanche da escola.

É só um exemplo bobo, de como a economia de todo mundo hoje, é uma grande rede: isto mesmo, antes mesmo da internet ser internet, o capital já era globalizado e “enredado”. Tem um padre jesuíta chamado Thailard de Chardin, que lá pelos idos dos anos 50, 60, falava de uma tal noosfera. Indico a leitura (estou lendo, em doses homeopáticas seus escritos, pois são muitos densos e filosóficos demais) para quem deseja entender a origem desse fenômeno que é a “mundialização das relações humanas”.

Mas, voltando para cá, pro nosso Brasil, eu vi a seguinte manchete dia 20 de janeiro de 2008, no site do UOL:

VCP confirma acordo para comprar 28% da Aracruz por R$ 2,71 bi

VCP, em questão, significa VOTORANTIM CELULOSE E PAPEL, uma das empresas do conglomerado industrial pertecente à família do megaempresário Antônio Ermírio de Moraes.

Sabe o que é engraçado nessa notícia? Todo mundo teria dito: “Óh… é o reflexo da tal crise mundial, que Lula chamou de marolinha”. Pode ser. Ou será, puro oportunismo?

Não sei… que tal voltarmos um pouco no tempo? Vamos para o dia 09 de Janeiro de 2008 e paras as principais manchetes de economia no portal UOL:

Banco Votorantim será reestruturado antes da venda para o BB

SÃO PAULO – Depois de alguns desentendimentos e meses de negociação, o Banco do Brasil fechou a compra de uma participação do Banco Votorantim. A estatal desembolsará R$ 4,2 bilhões por 49,99% do capital votante e 50,00% do capital total do banco da família Ermírio de Moraes.

Guardem bem os valores grifados: o Banco do Brasil pagou R$ 4,2 bilhões, pode 49,99% do capital votante… significa a mesma coisa que dizer que você comprou um carro, mas não pode dirigi-lo! Parece bizarro… mas nos mundos dos negócios, isso é corriqueiro.

Exatamente isso: a BV, com a forte crise de crédito mundial, viu o arrefecimento das vendas de carros usados – principal nicho de atuação da BV Financeira – e como não conseguiu levantar um empréstimo junto ao Governo Federal, o que fizeram? Acertaram a “compra” de metade da BV pelo próprio Governo Federal (através de um Banco, que é metade do Governo, metade de um grupo de investidores).

Com isso, saiu ganhando a Votorantin que embolsou R$ 4,2 bilhões sem ter que pagar juros algum, e ainda, empurrou o abacaxi da BV para o Governo. Mas quem pensa que o BB saiu perdendo nessa história, está enganado!!! Com a compra, o BB adquiriu a 12ª maior instituição financeira, segundo o ranking do Banco Central (balancetes de Junho/2008) no critério de “Operações de Crédito”. Veja abaixo o print screen do site do BACEN:

BV era 12º e BB o 1º em Junho de 2008... o ranking mudou quando Itaú e Unibanco anunciaram a fusão no 2º semestre.

BV era 12º e BB o 1º em Junho de 2008... o ranking mudou quando Itaú e Unibanco anunciaram a fusão no 2º semestre.

Bom. Adiantemos nossa Máquina do Tempo para retornamos à segunda feira última, dia 20:

VCP confirma acordo para comprar 28% da Aracruz por R$ 2,71 bi

SÃO PAULO – A Votorantim Celulose e Papel (VCP) fechou acordo para comprar a participação de 28% na Aracruz Celulose detida pelas famílias Lorentzen, Moreira Salles e Almeida Braga (do Icatu), unidas na holding Arapar. As 127,5 milhões de ações serão adquiridas por R$ 2,71 bilhões – mesmo preço que tinha sido acertado em agosto de 2008, antes da divulgação das fortes perdas com derivativos de câmbio registradas pela Aracruz. Essas perdas levaram a companhia a um prejuízo de US$ 2,13 bilhões e deixaram a operação em suspenso.

Opa! Vamos fazer uma conta aritimética simples? R$ 4,2 bilhões menos R$ 2,71 bilhões é igual a… ? R$1,49 bilhões de reais. Esse dinheiro ainda está no Caixa da Votorantin e ninguém duvide, que vai ser utilizado para tapar os buracos causados pela crise mundial e em investimentos no ano de 2009!

Economia é isso, minha gente: o dinheiro que vai, é o dinheiro que vem. Vai-e-volta. Circulando, circulando. Isso me lembra alguma coisa… redondo, redondo, redondo?

Skol! AmBev… InBev… como será que está a InBev, com essa crise nos EUA? Só pra situar, a InBev é o conglomerado resultante da fusão da brasileira AmBev com a belga Interbrew, que por sua vez, compraram a gigante Anheuser-Busch, que fabrica a cerveja Budweiser, a mais vendida nos EUA…

Com essa crise lá, aposto que os americanos ou estão bebendo mais (bem provável, pois eles têm fama de beberrões) cerveja… ou tomados pelo sentimento ufanista-norte-americano, deixaram de tomar Budweiser, só por que ela se tornou uma cerveja… búlgaro-brasileira? Ham? Não, não… é conspiratório demais!

Quer ler mais?

E por falar em Aracruz… lembrei-me de que a ponte sobre o Rio Doce (sim, a VALE, chama-se Vale do Rio Doce… bem, por causa do rio Doce), situada na cidade de Linhares (ES) caiu…

Ano passado, eu fui passar férias em Linhares (desaconselho qualquer ser humano a fazer isso… há menos, que tenha alguém conhecido, aquela cidade é um porre…) e vi essa ponte de pertinho. Bom. A ponte caiu… eu fui pra ponte que caiu!

Ponte sobre o Rio Doce, em Linhares (ES)

Ponte sobre o Rio Doce, em Linhares (ES)

Anúncios

1 Response to “Economia: dinheiro que vai, dinheiro que vem!”


  1. 1 Linharense com muito orgulho!
    20 de março de 2012 às 11:43

    Você deveria estar passando em cima da ponte na hora, assim não ficaria falando mal da cidade dos outros seu infeliz! minha cidade é linda e tem muito a oferecer e ao contrário de você muitas pessoas que visitam Linhares gostam e sempre voltam, a cidade não tem nada haver com sua frustração com a vida, quem vive em Linhares é feliz, é dificil compreender o que é felicidade né?! então da próxima vez que se sentir revoltado com a vida se olha no espelho e fale mal da sua vida que deve ser bem mais um “porre” do que foi suas férias aqui.Babaca!!


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


Pessoas já leram MZN News:

  • 325,172 hits

SOS Nordeste

Categorias de Matérias

Quer procurar alguma coisa no Blog?

Digite no campo abaixo palavras chaves (tags) para encontrar nas matérias já publicadas

Arquivos

Expediente

Editor e Articulista:
Mazinho Almeida
Colaboradoras:
Fládima Christofari (Campo Grande -MS)
Helen Mariana (Curitiba-PR)
Cartas à Redação:
Para corresponder com nosso blog, além dos comentários, envie e-mail para o endereço mznnews.redacao@gmail.com

%d blogueiros gostam disto: