10
mar
09

Cultura: o que uma maestro, uma atriz e uma diretora de teatro têm em comum?

Música, Teatro, Poesia... "tudo junto e misturado"!

Música, Teatro, Poesia... "tudo junto e misturado"!

Eu era ignorante… fechado em meu mundinho e nas minhas convicções religiosas, não aceitava ser contrariado. Nada que não viesse de mim ou daquilo que eu julgava ser “bom” ou “correto”, me agradava…

Bom. Apesar de admitir que ainda tenha muito à mudar, deixei de ser ignorante: aprendi a refletir mais, a ponderar mais e a falar menos: esta é a parte que mais me dói!

Porém, é a que mais me engradece. Ouvir um “não”, de vez em quando, faz bem. Dói um pouco, é verdade! Mas, se souber trabalhar bem esses sentimentos, você consegue tirar uma lição positiva, até mesmo, de acontecimentos negativos…

Bem. Eu ouvia falar de Bibi Ferreira – na minha “santa” ignorância, era apenas um nome de teatro – e achava que era apenas um ator medíocre que resolveram endeusar.

Pra começo de conversa: não era um ator, mas sim, uma atriz. E não uma “atriz qualquer”: uma atriz completa!!! Daquelas que falam fluentemente francês, italiano, espanhol, inglês… e o principal: um impecável português!

Só de ouvir esses atores e atrizes globíferos (parafraseando Feltrin – o repórter) falando “… O MEU personagem…” eu me contorço de dor! Já disse: esperar que um jogador de futebol ou uma dessas celebridades instantâneas proveninentes do Big Brother dizer algo desse tipo, eu até engulo seco… MAS UM JORNALISTA? UMA ATRIZ? Não, não dá pra admitir!

Voltando à Bibi Ferreira: ela não é apenas uma atriz poliglota. Ela atua, contracena, dirige e produz. Canta e dança, se preciso for. Tudo isto do alto de seus quase 90 anos de idade!!! Pasmem vocês: ela poderia estar gozando uma confortável aposentadoria, em casa, curtindo os netos e bisnetos, fazendo tricô e crochê. Mas ela está em cartaz e viajando o Brasil com a peça “Às favas com os escrúpulos”!

Incrível exemplo de longevidade, maturidade e sensatez! Ao contrário da centenária Dercy Gonçalves – que nos seus últimos dez anos de vida, reduziu sua existência profissional à mera condição de papagaia-boca-suja – e de Suzana Vieira – que do alto dos seus sessenta anos de idade, parece que quer bancar a adolescente de quinze!

Bibi é inteligente, é sensata, é ácida, é coerente, é transparente, é eloquente, é chocante, é revoltante… é autêntica! Sim: estou rasgando-me em elogios à ela mesmo. No Brasil, temos o péssimo hábito de só reconhecermos a genialidade de alguém, quando ela morre!!! Daí, a homenagem se materializa em “nome de alguma rua ou pracinha”… e só!

Eu quero ser do contra: estou homenagendo-a ENQUANTO ELA AINDA ESTÁ VIVA!!! E gostaria muito de saber, que algum dia, ela tenha lido este texto aqui.

E o maestro e a atriz?

Quase me esqueci do principal: estava zapeando pelos canais de TV Aberta (Yes, I don’t have Pay TV… It’s very Expansive… Don´t Worry: be happy! I have Internet!!), quando passei pela TV Brasil (antiga TVE) e acabei assistindo à uma reprise dominical do programa Sem Censura, onde a entrevistada era Bibi Ferreira.

Já no finalzinho do programa – no último bloco – Bibi revela que fez uma participação especial, no CD do maestro e compositor Francis Hime (Francis Hime, “Álbum Musical Volume 2” – 2008 – Biscoito Fino). Veja o vídeo:

A canção que Bibi interpreta, é na verdade, uma adptação literal-poética feita por Herbert Richers Jr (deve ser filho daquele famoso mas secreto ser, cuja existência, só sabíamos no início de cada filme estrangeiro que passava na Globo… lembram: “Versão – Herbert Richers“???).

Richers Jr, por sua vez, baseou-se num texto brilhante da atriz Fernanda Montenegro. Francis Hime, “pôs a melodia em cima da letra”. E Bibi – merecidamente – foi convidada à cantar. Música deliciosa, letra instigante. E a história que ela (a música) contém, é uma daquelas coisas antológicas – que deveriam ser celebradas, mas, infelizmente, passou em branco do grande público. Uma verdadeira celebração da Vida e da Arte!!!

Eu ouvi a música e o CD inteiro e gostei… indico para todos que puderem comprar o disco. O preço é salgado mesmo, mas compensa, viu? E sem contar, uma coisa: em que lugar você ouviria cantores e cantoras de gêneros tão diferentes, reúnicos ecleticamente, num mesmo trabalho?

Afinal, não é todo os dias que vemos Zeca Pagodinho (pagode), Ivete Sangalo (axé), Simone (MPB), Lenine (rock), Ed Motta (jazz/funk), Luiz Melodia (MPB), Adriana Calcanhoto (MPB) e Bibi Ferreira (atriz!), cantando bossa-nova…

Se eu pudesse sugerir algo: por que, não, um Padre Zezinho num CD como esse? E faltou ainda, um representante de gêneros como brega (poderia ser Reginaldo Rossi ou Odair José) ou sertanejo (contanto, que não fosse Zezé & Luciano, Chitão & Xororó ou nenhuma dessas duplas genéricas-universitárias… Victor e Léo seriam bons nomes!).

O texto de Fernanda Montenegro:

A arte de representar não nasce e morre dentro dos limites de um país. Por isso que todos nós nos influenciamos e, embora de comportamentos cênicos distintos, todos nós, atores, nos interdependemos.

A mulher é mais instintiva e mais lúcida do que o homem na sua inteligência. Mas isso não lhe garante nenhuma superioridade nessa matéria.

Acho estranho ter um contrato sem estar atuando. Chega uma hora em que se tem de pagar esse tributo, fazendo um trabalho em que não se acredita. Com 50 anos de vida pública, este é novamente o ano 1 da minha vida.

Como artista fiz a minha participação política dentro do meu ofício, fora de filiação partidária, pois compreendo que o palco é, definitivamente, o espaço mais livre que o homem jamais criou.

Investir em cultura não é uma caridade: é uma parceria que ajuda a projetar o Brasil internacionalmente.

Não conheço nada mais instigante do que o par.

Nossa deformação cultural nos faz pensar que cabe a um segmento da sociedade levar cultura a outro. Nós temos é que buscar a cultura no povo, dando condições para que ela brote.

Nosso ofício, falo de teatro, não nos deixa provas. A posteridade não nos conhecerá. Quando um ator pára o ato teatral, nada fica. A não ser a memória de quem o viu. E mesmo essa memória tem vida curta.

O ator ilustra essa verdade tão fecunda: a de que não existem fronteiras entre aquilo que um homem quer ser e aquilo que é. Quanto mais estreito é o limite que lhe é dado para criar sua personagem, tanto mais necessário que ele tenha talento.

O bom é que os velhos em novelas, entre os quais eu me incluo, são ricos, erotizados, charmosos e vitais. As novelas estão saturadas de juventude que, muitas vezes, é forçada.

Penso que nosso ofício não tem a condenação bíblica do trabalho. O suor do nosso rosto não é um castigo. Nosso ofício é nossa festa. É o nosso sentido de vida, é o nosso prêmio.

Percorrendo os séculos e os espíritos, imitando o homem, o ator confunde-se com outra figura absurda: o viajante. E como tal, o ator esgota alguma coisa sem cessar. Ele é o viajante do tempo e, se é um grande ator, torna-se o viajante das almas.

Pobre do país cujo governo despreza, hostiliza e fere seus artistas.

Quer LER e OUVIR mais sobre:

Post Scriptum:

A maioria das biografias sobre Bibi Ferreira apontam que ela seria soteropolitana; segundo a própria Bibi, esse dado biográfico está errado. Ela é carioca da gema.

Segundo Bibi – na mesma entrevista à Leda Nagle – é um equívoco que poderia fazê-la ser presa! Ocorre que há muitos anos atrás, a atriz teve seus documentos extraviados durante uma temporada em Salvador (Bahia).

Porém, logo após a temporada em terras baianas, a atriz já tinha programada uma excursão com a companhia teatral em Portugal. Ela embarcaria – de navio mesmo – de Salvador diretamente pra Lisboa. Como não haveria tempo hábil pra voltar ao Rio de Janeiro só pra retirar uma 2ª via, ela fez uma nova identidade em Salvador mesmo.

Só que saiu errado o local de nascimento: puseram “Salvador – BA”. Ela, por sua vez, deixou assim mesmo. E nunca quis mudar…

Anúncios

0 Responses to “Cultura: o que uma maestro, uma atriz e uma diretora de teatro têm em comum?”



  1. Deixe um comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


Pessoas já leram MZN News:

  • 325,172 hits

SOS Nordeste

Categorias de Matérias

Quer procurar alguma coisa no Blog?

Digite no campo abaixo palavras chaves (tags) para encontrar nas matérias já publicadas

Arquivos

Expediente

Editor e Articulista:
Mazinho Almeida
Colaboradoras:
Fládima Christofari (Campo Grande -MS)
Helen Mariana (Curitiba-PR)
Cartas à Redação:
Para corresponder com nosso blog, além dos comentários, envie e-mail para o endereço mznnews.redacao@gmail.com

%d blogueiros gostam disto: