20
maio
09

Crônicas – Como um homem pode saber se está levando um fora?

Atenção:

Atenção: esta é uma crônica. Os fatos e dados apresentados não possuem qualquer embasamento científico. São apenas conjecturas de uma mente sórdida!

Atenção homens: apesar de estatísticas demográficas apontarem que a população da terra tem mais mulheres que homens, não se enganem! A coisa tá feia! Se estatísticas ajudassem, todo matemático ganharia na Loteria!

Se você está solteiro e encalhado — e diante dessas estatísticas, está todo “animadão” — e quer partir para a “caça”, vá com calma. O mar não está para peixe… Tubarões levam vantagem. E provavelmente, se você está “encalhado”, ou você é uma pobre baleia ou um peixe arrastado por uma tarrafa.

Então, preste atenção. Não sou um expert em CONQUISTÁ-LAS… mas acabei me tornando especialista em detectar quando elas dão “fora”. Há uma minoria que é curta e grossa: diz “não” na lata e fim de papo. Mas a maioria, usa de subterfúgios para não ser “grossa”.

Por que eles agem assim? Como saber se você está sendo “chutado” pra escanteio? Quais os pecados que você NÃO deve cometer? Vamos lá.

1. Por que elas não “falam na lata”?

A resposta é simples, meu caro amigo “encalhado”:  Lei da Oferta e da Procura! Se ela está no auge da jovialidade, com um corpo escultural — ainda que o cérebro seja inversamente proporcional à sua gostosura — certamente, existe uma “demanda” muito maior por ela.

Em miúdos: tem muito mais caras afim dela, além de você. E com certeza, isso abre a ela, um leque de opções. Por isso, a regra de ouro: quanto mais gostosa/gata for a garota, mais seletiva será!

Porém, sabemos que o tempo é implacável — e a lei da gravidade também! Um dia, tudo que está “em cima”, cairá. E a “oferta” de caras interessados por ela, também.

Por isso, elas trabalham com um “estoque de reserva”. Ou como elas chamam: um estepe. Se você não consegue pegar ninguém, provavelmente você é um estepe e não sabe!

2. Como reconhecer se sou um “estepe”?

Faça um teste muito simples: tire a roupa e olhe no espelho. Gostou do que viu? Não? Se você não gostou, certamente elas não gostarão também!

Vista sua melhor roupa do guarda roupa, faça o penteado que você “acha massa” e repita o teste: alguma coisa melhorou? Se a resposta for sim, é capaz de que você possa ter algum resultado.

Por fim, faça a experiência derradeira: vá para algum lugar paquerar. Vale tudo: balada, barzinho, supermercado, velório… igreja. Observe a reação das mulheres do recinto. Dependendo da reação, você saberá se está “causando” ou não.

3. Eu fiz tudo isso… mas acho que não “causei”. Por que será?

Provavelmente, meu amigo, você é feio. Se não for, deve ser, no mínimo “normal”. Ou seja: é mais um meio da multidão. É um “genérico”, um “anônimo”. Você não tem o que chamamos de diferencial de mercado.

É urgente que você agregue valor ao produto! Faça o teste abaixo:

[a] Seu corpo é malhado/tipo “armário”: 20 pontos
[b] Você é magro, mas tem barriga tanquinho: 15 pontos
[c] Você é magro e feio de rosto, mas tem um cabelo “legal”: 10 pontos
[d] Você é feio, mas veste “roupas” de marca: 15 pontos
[e] Você é feio, tem um cabelo horrível, não usa roupas de marca e tem “barriga de chopp”: -5 pontos
[f] Idem, porém, você é um cara “legal” e simpático: 5 pontos
[g] Ibidem, porém, você é timido… mas tem um carro do ano e ganha bem: o pontos.

Se você fez menos de 10 pontos, meu amigo, a probabilidade de você conquistar alguém pelas “vias normais” — fator casualidade — são remotíssimas! Resta a você as opções de “entrar numa academia”, investir num “novo guarda-roupas”, passar uma máquina-zero no cabelo e tentar ser mais “descolado”.

4. Eu não consigo fazer nada do que você disse… e agora?

Calma! Não se despere. Existem mulheres “menos seletivas” — lembra do fator “estoque de reserva”?  Geralmente são mulheres na faixa dos 30 anos, que já tiveram longos relacionamentos (namoros de mais de 5 anos, casamentos terminados, gravidez na adolescência, etc) e que estão em busca de “algo diferente”.

Elas tendem à valorizar mais o “conteúdo” do que a “embalagem”. Se você for um cara gentil, carinhoso, prestativo e FIEL (isto é muito importante), você tem boas chances. O ponto negativo é que você tem que ser “bem resolvido” o suficiente para conviver com “a sombra do passado” dela.

Se você não for do tipo que gosta de “se comparar” com outros caras, há realmente uma grande probabilidade de você ser feliz com essa pessoa!

Ainda existem as chamadas “arroz de festa”: garotas não-tão-bonitas, mas que já “pegou geral”. Como os caras “da balada” já sabem quem são elas… o fator “estoque de reserva” se inverte. Elas passam a ser “estepes”. Ou seja: elas ficam com os caras que não conseguiram “pegar ninguém”.

Pode ser o seu caso. Você pode ser um baladeiro de plantão ou um iniciante nesse mundo. As “arroz de festa” são os primeiros degraus da escada para sua felicidade. Não seja exigente.

A prática leva a constância. Nesse momento, qualidade não é o essencial. Se contente com as “migalhas que caem da mesa”.

5. Que pecados eu não posso cometer?

Esta é uma questão sine qua non.  Há algumas coisas que você simplesmente JAMAIS deve fazer, sob pena, de ser um pecado mortal… e não ter volta!

[a] Não fale de ex-namoros (somente, se ela perguntar)
[b] Num primeiro encontro, NÃO TENTE avançar o sinal.
(Importante: ainda que ela proponha sexo casual, não aceite. Isto a fará pensar: “por que ele não me quis?”. E ela ficará interessada por você, ainda mais)
[c] Não confie na “palavra dela”: use preservativo sempre.
(existem muito “marias-barrigas” loucas para dar o golpe da pensão alimentícia!)
[d] Não PERGUNTE nada sobre as intimidades dela.

Este último item é importante. Apesar da maiorias da mulheres DIZEREM e PENSAREM — “quero um cara que me ouça” — na prática, o efeito é inverso. Se você, no início da aproximação, tornar-se muito íntimo, na cabeça dela a imagem que se formará é que você “é um ótimo amigo”.

E se isso acontecer, você rodou! Já era…

6. Como assim, eu “já era”?

Mulheres têm algumas atitudes inexplicáveis. Por mais que elas desejem, no fundo, um cara sensível e companheiro, na prática, elas agem de forma totalmente IRRACIONAL e PASSIONAL.

Se elas vislumbram que um cara — no caso, você — é compreensível, companheiro, bom ouvinte e conselheiro, na cabeça delas a imagem que se cristalizará é do “AMIGO”. E não, a imagem de “FICANTE/NAMORADO”.

As mulheres são carentes, por natureza (até mesmo as mais “bem resolvidas” têm necessidade de atenção e afeto). Por isso, na escala de valores das mulheres, uma amizade é pra sempre; um namoro, não! Aí é que está o problema.

Elas preferem “perder um namorado” do que “perder um amigo”. No subconsciente feminino, há uma certa predisposição para boicotar qualquer relacionamento. Parece um tanto contraditório, mas é assim que funciona.

Na consciência e fantasia delas, o cara perfeito é a combinação de alguem “lindo/gostoso” e “carinhoso/companheiro”. Porém, em função do histórico de caras “sacanas” (lembre-se: os homens são artigos em extinção… são minoria… podem se dar ao luxo de serem assim, certo?), elas já entram num relacionamento “com um pé atrás”.

Daí, quando aparecem na vida dela um cara legal — a nice guy — como você, elas têm medo de se envolver… e no fim (na cabeça delas, SEMPRE terá FIM), não vai sobrar “nem o namorado”, nem “o amigo”. Então, a perda será duplamente maior.

Resumo da história: elas acabam optando em “ficar/namorar” com os caras que justamente fazem o tipo “bonitão/gostosão/sacana”… pois, como elas sempre esperam que o relacionamento “não irá durar”, eles sairão das vidas delas com a mesma velocidade com que entraram.

Quando elas se cansarem da vida de balada, e o peso da idade e da gravidade lhes cairem sobre os ombros, elas mudarão “o foco” e começaram a explorar esse “novo nicho de mercado”: caras, como você!

7. Como sei que estou levando um fora?

Se você ouvir alguma dessas frases, provavelmente, está levando um fora:

[a] Você é gente boa, mas, te vejo como amigo.
[b] Gosto de você, mas, apenas como amigo.
[c] Você é gostoso, mas… não acho que seja uma boa idéia a gente ficar juntos.
[d] Acabei de sair de uma relação…
[e] Estou solteira, mas não sozinha.
[f] Tenho outras prioridades no momento.
[g] Meu celular foi roubado/caiu na privada/joguei na parede/um carro passou por cima.
[h] “Wow… you’re so sweet/so kilt”

Bom. Espero que todas essas dicam ajudem você a encontrar o caminho da sua felicidade amorosa.

Anúncios

2 Responses to “Crônicas – Como um homem pode saber se está levando um fora?”


  1. 1 aricelly
    8 de abril de 2010 às 15:55

    kkkkkkkkkkk, ilario cara…é bem por ai msm q nos mulheres nos comportamos….
    OBS—-> mas nem todas.

  2. 2 sevach
    29 de julho de 2011 às 00:09

    cara eu li esta parada, tinha levado um fora e não entendia muito bem. não sei se me sinto um lixo ou se desisto de ir atraz de mulheres. pra sempre.
    mas no meu caso foi pior levei um fora de uma puta Professional. hehehe.
    mas o artigo oi sensacional amigo parabens


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


Pessoas já leram MZN News:

  • 325,172 hits

SOS Nordeste

Categorias de Matérias

Quer procurar alguma coisa no Blog?

Digite no campo abaixo palavras chaves (tags) para encontrar nas matérias já publicadas

Arquivos

Expediente

Editor e Articulista:
Mazinho Almeida
Colaboradoras:
Fládima Christofari (Campo Grande -MS)
Helen Mariana (Curitiba-PR)
Cartas à Redação:
Para corresponder com nosso blog, além dos comentários, envie e-mail para o endereço mznnews.redacao@gmail.com

%d blogueiros gostam disto: